26 dezembro 2011

Blue Moon

CAPITULO XVIII

Fomos para casa porque eu insisti que o Alec também tinha de assistir/participar. Como tinhamos medo de destruir a nossa casa, fomos para um sítio muito afastado da casa. Os meus pais queriam vir mas eu convenci-os, que não os queria magoar, e que iria quando eu já fizesse algo que pudesse controlar.


Eu e o Alec fomos atrás calados, não sei o que haveria para dizer neste momento…

- Chegamos. – Anunciou Ian.

- Acalma-te – Sussurrou Alec.

- Isso é mais fácil dizer do que fazer – Retorqui.

- Sentem-se – Ordenou Tania. Assim o fizemos no exacto sitio onde ela mandou.

- Posso perguntar o que vamos fazer? – Perguntei.

- Shh Cala-te! – Reclamou Tania. Concentrou-se um pouco e depois exclamou - Pronto perfeito.

- Tipo eu á noite durmo, por isso, preciso que me ensinem o máximo de coisas até lá.

- Achas mesmo que eles te vão conseguir ensinar alguma coisa? – Sussurrou Alec de maneira a só eu ouvir. Antes que eu pudesse responder outra pessoa falou.

- Ainda tens dúvidas?? – Perguntou Ian irritado. Os olhos já de sim vermelhos pareciam chamas

- Mano. – Advertiu Tania.

- Cala-te! – Rosnou. – Este idiota anda a tratar-nos mal como se lhe tivéssemos feito mal algum! E eu fartei-me! Se tens algum problema fala agora! Tens dúvida? Anda dá o teu melhor! – Disse com tamanha fúria que eu pensei que ele fosse saltar e arranca-lhe a cabeça. Fez um gesto para ele se levantar, e ele levantou-se. Ele também não estava calmo.

Num salto levantei-me, e depois ponderei se devia colocar-me no meio deles, ou afastar-me e deixá-los resolver aquilo.

- Nessie sai da frente – Disse o Alec. Agarrei-lhe o braço.

- Alec pára. Eles são amigos agora! Pede desculpa e vamos continuar com a aula.

- Não – Rosnou. De repente eu e a Tania estávamos encostadas á árvore imóveis.

- Faz alguma coisa! – Gritei para a Tania.

- Estou a tentar. – Respondeu. 

O Alec lançou-se numa corrida para atacar o Ian, de seguida estava a voar contra uma árvore. Eu a Tania debatíamo-nos para nos soltar-mos. Eles mandavam ondas de poder um ao outro e depois paravam e saltavam um para cima do outro, arreganhando os dentes.

- Parem! – Gritei uma e outra vez.

A Tania conseguiu-se soltar e mandou-se para cima do irmão. Levando com um soco no estômago do irmão. De repente eu estava solta, e corri para segurar o Alec.

Tania já tinha o irmão bem preso, e estava a falar com ele, e eu ia fazer a mesma coisa Agarrei no Alec e puxei para trás, ele não fez resistência.

- Mas que raio foi aquilo? – Perguntei, mais preocupada do que irritada.

- Aquele vagabundo irrita-me!

- Mas vais ter de te aguentar ou queres que eu, tu e a minha família morra naquela luta?

- Não mas…

- Mas nada fogo! Sabes muito bem que sem ele não vamos conseguir estar prontos!

- Sim mas…

- Mas o que Alec? – Gritei.

- Mas nada! Eu não gosto dele! Pronto. Não gosto, não vou com a cara dele.

- Mas tenta, por mim, dar-te bem com ele, não sei o que ele fez, mas pela nossa amizade e pelas vidas que estão em jogo faz um esforço. – Ele primeiro não respondeu, desviou o olhar. Passado, o que pareceu muito tempo, ele respondeu:

- Acho que vou apenas ignorá-lo… - Dei-lhe um grande abraço.

- Obrigado! Vamos – Disse pegando-lhe na mão para ver se o controlava caso ele se descontrola-se.

- O Alec quer pedir desculpa por não confiar em vocês, e também diz que não vai repetir – Ao mesmo tempo que dizia as palavras apertei-lhe a mão.

- O meu irmão também pede desculpa, né Ian?

- Sim claro, eu vou controlar-me.

- Eu tambem. – Concordou Alec.

- Bem vamos continuar? – Perguntei eu. – Espero que não tenham pedido a vontade de me ensinar

- Claro que não! Achas que te ia castigar pelas tolices do meu irmão? Never.

- Ainda bem.

- Nessie, primeiro temos que descobrir que tipo de bruxa és. O Alec, pelo que sei é um bruxo dos elementos, mas controla acima de tudo a terra e o ar. Os opostos. Tu iremos ver. – Tania sorriu.

- Vocês são bruxos de quê? – Perguntei

- Nos somos dos elementos, mas também temos aqueles que dominamos melhor. No meu caso é o Ar, a Morte e o Fogo. – Disse Tania.

- E eu domino os opostos, Terra, Vida e Agua. – Sorriu.

- Uau, até nos poderes combinam. – E ri-me assim como eles.

- Nos somos assim.

- O que tenho de fazer? – Perguntei.

- Primeiro pelo que eu vi, levitas-te, atiras-te o teu pai pelos ares logo acho que dominas o ar. E é isso que vamos treinar acima de tudo. Por que com o Ar vem muitos dons que te podem ajudar. – Contou Tania.

- Okay…sou uma bruxa do ar? – Perguntei, isto era estranho demais para mim.

- Para já é isso que te vamos considerar. – Disse Ian.

- Okay… - O Alec mantinha-se calado ao meu lado, ecutando com atenção, acho que o convenci que os gémeos são boas pessoas. – Vamos começar?

- Hum…vamos seguir o metodo de treino da tua mãe. Mas tu decides quem é que te vai ajudar o teu namorado, ou o Alec? – Perguntou Ian.

- Eu ajudo – Respondeu Alec antes que eu pudesse dizer que ninguem me ia ajudar.

- Okay – Respondeu Tania. – Vai ter que evitar que os objectos que eu manda cheguem a tocar no Alec. Percebeste? Não vale chegares perto apena desviá-los com a mente ou com gestos das mãos. Primeiro eu vou exemplificar. Ian dá o teu melhor. – Com um gesto muito rápido um grande ramo estava a voar diretamente á cara da Tania. Quando ele (o ramo) estava quase a tocar na cara dela, com dois dedos juntos e um movimento rápido para o lado o pau desviou-se imediatamente com a mesma intensidade como se ela o tivesse agarrado e lançado com muito, mas mesmo muita força. Ele embateu numa árvore e tanto, o ramo como a árvore acabaram desfeitos.

- Eu nunca vou conseguir fazer isso! – Guinchei.

- Então o Alec vai levar com muitas coisas na cara. – Disse Ian.

- Eu confio em ti  - Afirmou Alec. Afasti-me um pouco e preparei-me.

- Pronto. Uma coisa pequena primeiro. – Ian pegou num ramo do tamanho de um lápis e lançou-o contra o Alec com muita força. Eu tentei reproduzir o que ela fez mas…fui lenta de mais e o lapis desfez-se contra a testa do Alec, que nem pestanejou.

 - Desculpa! Oh! Desculpa

- Cala.te Nessie, e volta a tentar.

- Aqui vai – Falou Ian antes de voltar a mandar. Desta vez consegui um pequeno movimento… Ele voltou a mandar…concentrei-me e… CONSEGUI!

- Consegui! – Guinchei, pela segunda vez na minha vida.

- Isso foi pouco! – Tirou.me a alegria Tania.  – Tens que conseguir agora um grande e depois uma pessoa okay? Só aí poderás dizer que conseguiste, mas mesmo assim não festejar. – Mal acabou de falar mandou um pau desta vez maior, na minha direção. Por insistinto ia apenas agarrar no ramo, mas embrei-me do exercício e mexi os dedos. E tcharam! Consegui! E tambem quase que fiz xixi nas cuecas.

- Que raio ias me matanto de susto! – Berrei.

- Conseguiste não conseguiste? Nem estragaste o vestido – Resmungou Tania. Olhei para Alec que estava contente, mas percebi que tambem se tinha assustado.

- Tens nocção que a podias ter ferido gravemente? – Perguntou com um leve tom de insinuação.

- Sim, pois. Eu sabia que não se ia ferir, e se eu visse que ela não ia conseguir eu mesmo teria parado o ramo.

- Relaxa nós sabemos o que estamos a fazer! – Completou a intenção das palavras de Tania, o Ian ao falar aquilo.                                                                      

- Para a próxima avisem okay? – Disse eu.

- Sim claro. – Responderam os gémeos ao mesmo tempo, e… riram-se por terem falado ao mesmo tempo.

- Bem vamos agora tentar com um vampiro que vá simplesmente a andar. Mais tarde tentaremos com um a andar em passo acelerado, de seguida corrida lenta e por ai adiante – Explicou Tania.

- Okay. – Falei, e ao mesmo tempo vi um pau voar na minha direcção, fiz o movimento dos dedos e ele vou para longe. Batendo numa árvore.

- Eu irei andar, em passo humano. – Explicou Ian.

- E eu irei exemplificar o que deves fazer. Claro que vai ser difícil para ti, tanto a nível físico com a nível de dificuldade. – Terminou Tania.

- Como assim? – Perguntei.

- Eu apenas te vou mostrar o movimento, o poder vai fluir através de ti. Isso não te posso ensinar, apenas tentar que ele salte cá para fora. E ajudar-te a lidar com ele. Olha. – O Ian começou a andar a passo humano, o que eu não pensei que ele conseguisse fazer. Tania virou a palma da mão para ele, e eu vi muito rapidamente uma rajada muito forte de vento fluir da palma da mão dela, se eu não tivesse visão vampira não conseguiria ter distinguido. O Ian deve ter voado a muitos quilómetros por hora, pois partiu uma boa quantidade de árvore.

Passado 1 minuto já estava á nossa beira.

- Bem vamos a isto. – O Ian começou outra vez a andar, e eu tentei repetir o que a Tania fez mas sem sucesso, e tentei várias vezes até conseguir sentir qualquer coisa na ponta dos dedinhos da mão. Cada vez que me esforçava para atirar Ian pelos os ares, ficava mais cansada, e afogante. Parecia que tinha corrido uma maratona como humana. Mas estava decidida a não deixar isso transparecer.

- Outra vez – Disse eu com um pouco de dificuldade. – Do inicio. – Senti um fogo subir por mim a cima e a tentar sair da palma das minhas mãos, em forma de vento mas simplesmente a passagem estava fechada.

- Eu disse-te que ela não ia conseguir. – Falou Ian.

- Isso não quer dizer que ela não seja capaz, ela simplesmente ainda não consegue soltar naturalmente a sua energia, ainda é muito nova. – Eu tinha noção de que eles estavam a murmurar, eles ainda não estavam cientes de que nós, os vampiros, conseguimos ouvir tudo, por mais baixo que seja.

Agora já não conseguia disfarçar, mal conseguia respirar. Quanto mais falar normalmente.

- Outra…Outra vez! – Falei. Estendi a palma da mão para a frente e tentei repetir o processo. Consegui sentir um fiozinho daquele puder sair da minha palma, mas foi imperceptível.

- Descansa um pouco e daqui a bocado continuamos. – Falou Tania.

- O…Okay. – Sentei-me encostada á árvore onde se tinha sentando.

- Sabes – Falou – Para mim também foi difícil, e para eles também, mesmo que penses que não custa a todos o inicio, também custou á tua mãe dominar o escudo dela. Mas eu sei que tu vais conseguir. Tu és forte, persistente, e talentosa mas, acima de tudo teimosa o suficiente para te matares a treinar para conseguires combater. - Fiz-lhe um sinal com a cabeça, para dizer que ele tinha razão.

- E não te preocupes em conseguir controlar tudo já. Quando te sentires em perigo, os teus poderes vão ficar em alerta e fluir mais livremente. – Continuou. – Eles, assim como eu, só te podemos dar umas noções básicas do que podes fazer para que os teus poderes serviam de alguma coisa… - Ele ainda não tinha acabado de falar e já eu tinha tido uma ideia.

- Já sei!

- Tania! Ian! Alec! Ponham esses traseiros já aqui – E depois acrescentei. – Se faz favor. – Mas quase que em foi preciso pois eles já cá estavam.

- O Alec deu-me uma ideia – Falei – Vocês têm de me atacar de surpresa, para eu reagir sem pensar, até o poder fluir livremente. – Sorri com a minha brilhante ideia

- É tão estúpido que até pode resultar. – Ian

- Agrada-me – Alec

- É um plano idiota, logo eu estou contigo. – Tania – Mas acho que teria mais eficacia com mais gente. – Continuou. – Secalhar deviamos chama a tua familia para eles tambem treinarem…

- Concordo com a Tania. Querem que eu os vá chamar? – Falo Alec.

- Eu sou rápido vou lá eu. – Começou Ian. – E tu cuidas das damas. – Ates que a Tania pudesse mandar-lhe alguma coisa á cabeça, como vi no seu olhar que queria fazer, ele já tinha desaparecido.

- Este meu irmão. – Rosnou Tania. – Já tems mais energia? Lembrei-me de uma coisa.

2 comentários:

O mais simples dos comentários, dá força á autora para continuar a historia por mais um capitulo e com cada vez mais entusiasmo.
Só demora 1 minuto (e não faz o dedinho cair!) e alegra o nosso lindo e fraco coração = ) Se leu comente!
#Os insultos serão imediatemente eliminados#