06 março 2013

Once Upon a Time


Capitulo 1

Já passaram dois dias desde que iniciamos a viagem para a batalha que irá mudar as nossas vidas para sempre.

Cavalgávamos velozmente, comigo á frente e seguida pelo nosso exército de 550 homens corajosos e bem treinados. O vento batia no pouco da minha cara que não era coberto pelo capacete.

Avistei um monte de cavalos em formação a uns bons metros de nós, agarrando as rédeas com uma mão tirei a espada da minha cintura com a outra.

- Por Trulov! – Gritei.

- Por Trulov. – Gritaram atrás de mim.

E começámos a cavalgar ainda mais rápido para o nosso destino.

Soltei a rédea e levantei o escudo a minha frente, tendo sido bem treinada como fui pelo meu pai, facilmente me equilibrei e começamos a nossa batalha.

Eu estava habituada a sangue mas as minhas irmãs não, por isso pus dois guerreiros a fazerem de guarda-costas para eu poder cortar os meus inimigos sem preocupações.

A minha faca cortou várias pessoas a meio e creio que feriu gravemente muitos deles. Eu era ágil e forte, empunhava a minha espada com tanta bravura como qualquer outro guerreiro, e a minha raiva tornava-me mais forte.

Notava-se que a Rose queria vingar os nossos pais porque olhei e vi vários homens a esvaziarem-se em sangue e a sua espada estava vermelha do seu sangue.

Neste meu momento de distração fui empurrada do cavalo, assim que toquei o chão levantei-me com um adversário a minha frente.

Ele tinha uns olhos lindos e uns cabelos cor de cobre ele era lindo.

Agarrei a minha espada e avancei sobre ele, movi a espada rapidamente mas não o suficiente para lhe fazer um corte naquele corpo imaculado. Ficamos numa luta de espadas por uns momentos até que ele me conseguiu fazer um corte na bochecha que escorreu sangue pelo meu rosto.

Eu retirei o meu capacete e ele frisou por completo o que foi uma sorte fiz-lhe um corte num dos braços bem exercitados dele e ele caiu

Fechei o punho e com toda a força que possuía desferi um soco no rosto dele deixando-o inconsciente.

Até quase senti pena por tê-lo feito a uma cara perfeita como a dele

Abanei a cabeça e passei a mão pela bochecha que ainda sangrava. Agarrei a minha espada e voltei a luta.

Matei mais uns cinco ou seis seguidos até que cheguei ao líder de combate dele

Com uma alma de guerreiro e uma força de leoa ataquei.
O meu escudo muito me valeu, protegendo de golpes possivelmente mortais.

E consegui matá-lo traspassando a minha espada no seu estômago e quando olhei para as minhas irmãs, cada uma com um homem inconsciente aos seus pés

Corri em direção a elas.
- Bells! - Gritou a Alice pondo-se atras de mim.
Só consegui ver uma lâmina fazer um corte no lado do corpo dela, muita rapidamente agarrei-a com um braço e cortei a cabeça daquele traste com a minha espada.

Corremos para nos abraçarmos, mas fomos interrompidas pelo coronel que trazia uns corpos.
- Majestades, fazemos prisioneiros?
- Sim nós precisamos deles vivos para termos mais informações sobre o inimigo. - Disse-lhe olhando para aqueles corpos procurando o guerreiro com os cabelos cor de cobre.

Agarrei a Alice levando-a gentilmente até ao cavalo dela e com a ajuda da Rose sentamo-la.

- Aguenta só mais um bocado assim que chegamos ao acampamento, vamos tratar de ti

Fomos o mais rápido possível para o acampamento para cuidarmos da Lice e irmos de volta para casa

A ferida no rosto ardia-me mas eu estava ralada com a minha irmã que corria risco de vida. Liderando os guerreiros que sobraram (que não foram assim tantos) galopamos velozmente

Quando chegamos ela foi vista por um curandeiro parecia que ele estava a demorar décadas para conseguir curá-la.

Eu andava de um lado para o outro a frente da tenda enquanto que a Rose estava sentada num tronco caído no chão a rezar.

Quando finalmente ele saiu eu parei e a rose levantou-se e caminhou na nossa direção.
- Então como é que ela está? - Perguntamos ao mesmo tempo.
- Não tenhais que temer vossas majestades a vossa irmã vai ficar bem ela é muito forte. - Disse ele com um sorriso.

- Obrigado. – Agradecemos e entramos na tenda.

Num lençol estendido no chão estava deita a Lice, toda suada e a respirar com alguma dificuldade. Ajoelhei-me a beira dela e passei-lhe a mão pela testa.

- Como estás Lice?

- Estou bem tu sabes que não há nada que me vença Bells.

- Pregaste-nos um susto dos diabos. – Falou a Rose tocando na mão dela.

- Eu já estou bem e preparada para outra. Quando partimos? – Perguntou como se nada tivesse acontecido.

- Quando estiveres em condições de montar.

- Pudemos ir já. – Falou tentando erguer-se mas eu segurei-a pelos ombros.

- Se amanha o curandeiro permitir, partimos. Até lá descansa. – Falou a Rose.

- Mas eu estou bem manas a sério não se preocupem. - Disse ela voltando a tentar, ela podia ser teimosa mas eu era uma verdadeira casmurra.
- Lice fica deitada e dorme se dormires agora partimos amanhã bem cedo.

- Esta bem. – Falou deixando-se encostar na almofada.

Beijei-lhe a testa.

- Descansa irmã. – Sussurrei. – Ficas com ela? – Perguntei a Rose.

- Fico Bella podes ir a vontade. – Falou a Rose já preparando as coisas para se deitar a dormir.

Saí da tenda e fui ter com o general.
- Algum deles já abriu a boca?

- Não princesa, estão todos inconscientes. – Falou com todo o respeito.

Fiz sinal para que ele abrisse a porta da carruagem velha onde os transportávamos e entrei fechando-a em seguida.

Estava tudo silencioso, eles estavam mesmo inconscientes, pensei. Sorri para mim mesma consegui por um deles completamente adormecido com o meu soco.

Voltei a sair e olhei para ele.
- Partiremos amanhã pelo nascer do sol. - Disse-lhe autoritariamente

- Sim majestade. - Falou fazendo uma curta reverência.
Antes de me deitar certifiquei-me que todos estavam bem e dei a volta ao perímetro

Acordei e já estava quase tudo pronto para partirmos

Passando as mãos e cara por água, vesti a minha armadura e prendi o meu cinto com a espada a cintura, e calcei as minhas botas.
Sai rapidamente da minha tenda e fui para a da Alice que se vestia com a ajuda da Rosalie.

- Bom dia manas, dormiram bem?

- Sim. - Responderam.
- Estas melhor Lice?
- Como nova Bells. - Falou.
- Bem eu tenho d ir tratar de umas coisas vão ter com os outros. - Falei.
Elas assentiram e eu fui em direção a caravana pegando em comida pelo caminho.

- Bom dia majestade. - Disse o general.
- Bom dia general eu gostaria de ver se eles já querem falar.

Sem dizer nada ele abriu a porta e ela entrou.
Eles estavam acordados e sentados a um canto.
Um deles, aquele com que lutei, parecia ser o mais novo e tinha cabelos cor de cobre que mesmo todo sujo parecia ser sedoso.
O que estava ao lado dele era completamente musculado e tinha cabelo escuro e ao canto estava um loiro de cabelos ondulados.
- O que tem para me contar? - Perguntei sentando-me no chão.

- Nunca vamos confessar. - Disse o loiro.
- Nós temos fome. - Falou o musculado.
- Por favor será que nos podias dar um pouco de pão? – Falou aquele com que eu lutei.

Abri o bolso que estava preso ao meu cinto e tirei de lá uns bons bocados de pão e desprendi o meu cantil do cinto entregando-lhes as mãos presas deles.

- Obrigado. - Disseram.

- Não somos nenhuns bárbaros, apesar de tudo vocês são humanos. – Acho, acrescentei mentalmente.

Fiquei sentada a observá-los comer.

- Vocês fizeram-nos vossos prisioneiros porque não nos torturam? - Perguntou o loiro.
- Porque nós não somos cruéis nem desumanas.

Eles pareceram surpreendidos.

- Desumanas? Como mulheres? – Disse o musculado.

- Esperem! – Falei. – Quem faz aqui as perguntas sou eu. Sim somos as mulheres que vos derrotaram.

Ouviu-se a porta abrir-se:

- Bells? – Ouvi a voz da Rose.

- Diz. – Falei levantando-me.

Ela entrou e observou com o olhar azul gelado dela os nossos três prisioneiros.

- Vamos partir. – Disse ela por fim.

- Já vou, só um segundo. – Virei-me para eles. – Como se chamam? – Perguntei severamente.

- Edward. – Falou o cabelos de cobre.

- Emmett. – Resmungou o monte de músculos.

- Jasper. – Disse o loirinho.

Saí e tranquei a porta e vi a Lice a vir na minha direção e na da Rose.
- Emmett, eu gosto de Emmett. - Disse a Rose.
- Uh quem é esse Emmett? - Perguntou a Lice com um sorriso matreiro nos lábios.
- É um dos prisioneiros. - Disse ela com um brilho enorme nos olhos.
- O quê? Por favor diz-me que não é o loiro peço-te.
- Não esse é todo teu eu estou a falar do musculado.
- Esperem vocês não me estão a dizer que passaram a gostar deles. - Disse eu com cara de parva.

Elas desviaram o olhar e eu bufei.
- Esqueçam. - Falei. - Sao nossos inimigos, não se esqueçam.
- Nos sabemos. - Disse a Alice.
- Só os achamos giros. - Completou a Rosalie.
- Claro. - Resmunguei. - Vamos la embora, estou morta por tomar um bom banho

Subi para o meu cavalo e começámos o nosso caminho para casa

Agora sem aquele capacete irritante até me sentia quase feliz a andar de cavalo. Senão fosse pelo facto de aquela pequena troca de palavras com as minhas manas me tivesse ficado na cabeça

Mas tinha de admitir que o Edward não era mau de todo e sem dúvida o mais cavalheiro dos três.

Abanei ligeiramente a cabeça e bati com os pés no meu cavalo para que corresse mais rapidamente.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O mais simples dos comentários, dá força á autora para continuar a historia por mais um capitulo e com cada vez mais entusiasmo.
Só demora 1 minuto (e não faz o dedinho cair!) e alegra o nosso lindo e fraco coração = ) Se leu comente!
#Os insultos serão imediatemente eliminados#