23 abril 2013

Live without Life

Capitulo XXXI
Depois daquela "conversa" com o Alec eu fiquei meio deprimida. Tinha-me custado, muito (repararam no eufemismo?), apesar de tudo ter tido o seu fundamento de verdade, aquela dor nos seus olhos, abalou o meu coração mais do que eu imaginava.
Mas eu fiz-me forte e ignorei-o seguindo para o quarto das minhas filhas.
- Vais morrer? - Perguntou a Alex com os olhos muito abertos.
- Não, princesa. - Assegurei.
-  Mas a tia Alice disse que ias. - Contrapôs a Kika.
Porque é que elas tinham de ser tão inteligentes?
- Foi uma brincadeira para assustar a mãe, nada mais.
- Juras? - Perguntaram ao mesmo tempo.
O meu coração encolheu-se no meu peito, mas eu forcei-me a sorrir. Beijei-lhes as testas.
- Confiem em mim, nunca nada nos irá separar.
Elas abraçaram-me e eu respirei fundo, para gravar o cheiro delas no meu coração.
Ouvi vozes e sabia que eles tinham chegado. Finjam que foi tudo uma brincadeira, pensei com esperanças que o Edward ouvisse.
- Vamos brincar? - Perguntou-lhes o Seth assim que descemos as escadas.
- Sim. - Disseram e correram com ele para o quarto.
Agradeci-lhe mentalmente e senteie ao lado do meu irmão. Ele passou o braço por cima dos meus ombros e puxou-me contra ele. Mesmo sem os meus poderes, conseguia sentir a sua preocupação e medo.
- Não te preocupes. - Disse-lhe.
- Vamos treinar? - Questionou o Emmett.
- Vamos. - Disse e levantei-me.
Levei uma tareia mas descobri que o meu ponto forte, era, sem duvida a minha força. A Nessie ainda quis treinar um pouco os seus poderes, mas eu recusei, não queria ver o meu elemento manifestar-se sem que eu o podesse sentir.
Depois, eu e o Ian fomos novamente tentar uma caçada, ele estava confiante, dizia que já tinha passado semanas e que conseguiria caçar, eu...nem tanto. Tinha a certeza que não aguentaria mais tempo sem sangue, a minha pela ja perdera quase toda a cor.
Deixei o sangue preencher o meu organismo e aguardei.
- Como é que te sentes? - Perguntou.
- Acho que bem. - Disse meio incerta.
Ele pegou-me no rosto e observou o meu rosto.
- Eu disse-te que conseguias. - Falou com um sorriso e beijou-me a face. - Temos companhia. - Sussurrou-me ao ouvido.
Revirei os olhos.
- Ignora, é o que eu faço. - Sussurrei apenas para ele ouvir.
- Vocês já falaram? - Perguntou. - Eu estou sempre do teu lado e já quase que o matei algumas vezes, mas eu sei que tu o amas. Estava estampado na tua cara.
Suspirei e revirei os olhos, mais uma vez respondi sinceramente.
- Pois, eu amei. Já falamos, mais ou menos. - Passei a mão pela cara. - Digamos que ele falou, eu respondi a algumas coisas e depois discutia.
Ele beijou-me a testa.
- Nunca mudas.
- Fazer o quê? - Sorri. - Vamos para casa? Quero levar a Kika e a Alex a jantar fora e depois ir sair.
- Vais uma corrida?
Cruzei os braços e fiz beicinho.
- Não é justo, és uma flecha.
- Anda lá. - Ele puxou-me a mão e começamos a correr rapidamente.
- Mãe! - Ouvi as minhas filhinhas e dobrei-me para as abraçar.
- Olá, princesas. - Beijei-lhes as testas e bochechas. - Gostavam de ir jantar fora?
Elas assentiram com os olhos a brilhar.
- Vão se preparar. - Pedi.
Elas correram lá para cima contentes.
- Veem connosco. Bem vocês não comem...mas, vocês perceberam! - Porque é que estava tão nervosa?
- Claro, vamos. - Todos assentiram com o que a Alice disse.
Sorri, como não fazia á muito tempo.
- Vou-me arranjar, assim que mais alguem chegue, avisem por favor. - Pedi e subi as escadas e entrei no quarto para me arranjar.
Tomei um banho e sequei os cabelos. Prendi-os num rabo de cavalo de lado e coloquei um vestido ate aos joelhos comprido e preto. Calcei umas botas de tacão, tambem pretas, coloquei uns brincos prateados, umas pulseiras de pedras pretas e um anel de caveiras. Pintei as unhas de vermelho sangue Passei um batão vermelho  nos labios, pintei os olhos de cinzento. O meu verde dos olhos voltou ao normal o que já não me dava nojo de me ver ao espelho.
- Uohh -  Virei-me e a Alex estava parada na porta. - Estas linda, mãe.
Sorri e caminhei ate ela e peguei-a ao colo.
- Tu é que és linda, princesa. - Beijei-lhe a bochecha. - Que querias?
- O pai perguntou se também podia ir. - Ela fez beicinho. - Pode não pode?
- Queres que ele vá? - Ela assentiu. - Então claro. - Sorri e ela saltou so meu colo e correu para fora. Revirei os olhos e desci também.
Alec POV
Ela tem noção do quanto ela fica linda, sexy, fofa... Foco! Quando ouvi o som dos saltos dela, levantei o olhar, inevitavelmente, eu perdi o fio so pensamento e a noção de quem estava a minha volta.
Aquele vestido assentuava-lhe as curvas e o batão tornava os labios carnudos dela, demasiado tentadores...
Só a minha filha no meu colo me impediu de levantar naquele momento.
- Pai! - Finalmente "acordei" e olhei para a Alex que saltava a minha frente. - Também vens! - Festejou.
Sorri-lhe e beijei-lhe a testa. Procurei, com o olhar pela Kika, que a momentos estava no meu colo, agora encontrava-se no colo da minha deusa, falava alegremente com aquele lobo e com a minha Tania, os seus lindos olhos azuis, iguais aos meus quando era humano,  brilhavam.
- Vamos. - Alguém disse e eu levantei-me assim como todos.
Segui-a, hipmotizado, com o olhar, era inevitavel. Senti algo na minha mão, era a minha irmã.
- Vens connosco? - Perguntoi referindo-se ao meio de transporte.
- Não sei. - Olhei para o Ian que brincava com a Tania. - Não é boa ideia.
Entramos na grande, gigante, garagem dos Cullen e os casais disposeram-se pelos diversos carros.
O Edward, a Bella, a Alice e o Jasper foram no Volvo prateado. A Esme, o Carlisle, a Rosalie e o Emmett foram no BMW preto. A Nessie sentou-se na mota com o Jacob. O Lobo, como é que ele se chama mesmo? Ah sim, Seth entrou no carro da Tania. Ela colocava a Alex no carro.
- Pai anda! - Virei o olhar para a Kika.
Tania POV
Assustei-me ao ouvir as palavras da Kika mas coloquei um rosto inexpressivo e levantei-me. Olhei para ele
- Entra. - Disse-lhe. - Vamos Kika, para dentro. - Mandei.
Ela veio para o meu lado e eu coloquei-lhe o cinto de segurança. Levantei-me e fechei a porta.
- Tens a certeza?
- Não me obrigues a pensar duas vezes. - Sussurrei sem olhar para ele.
Abri a porta do carro e entrei, os carros já começavam a sair, ele não demorou a entrar e eu arranquei. Eu apertava o volante com força, o ar estava sofucante, abri um pouco a janela.
- Está frio aí atrás? - Perguntei.
- Não mãe! - Responderam.
Respirei fundo e voltei a apertar o volante. Assim que chegamos estacionei ao lado dos outros.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O mais simples dos comentários, dá força á autora para continuar a historia por mais um capitulo e com cada vez mais entusiasmo.
Só demora 1 minuto (e não faz o dedinho cair!) e alegra o nosso lindo e fraco coração = ) Se leu comente!
#Os insultos serão imediatemente eliminados#