25 junho 2013

Once Upon a Time



Capitulo 5

- Então e qual é?

- Não.

- Mas vossa majestade, como pode recusar-me?

- Recusando, simplesmente. – Disse, a conversa começava a cansar-me. – Com todo o respeito, príncipe Mike, mas não estou interessada.

Ele levantou-se irritado, dirigiu-se à porta e antes de sair, voltou-se para mim e disse:

- Vai se arrepender pela decisão que acabou de tomar.

- Não creio. – Falei e levantei-me. – Será sempre bem-vindo.

- Nunca mais quero voltar aqui! - Exclamou e saiu porta fora.

Se eu não falava morria.

- Ei! – Gritei e abri a porta furiosamente.

Todos pararam para me olhar, incluindo ele.

- Respeito sim?! Eu estou acima de si e vai-me tratar com o devido respeito! Se é mimado eu ensino-o a deixar de ser! Agora, faça uma vénia e peça-me para sair.

Fiz sinal aos guardas e dois deles puseram-se em frente á porta de saída.

Ele lá fez a vénia com relutância e pediu-me para sair. Ele saiu e eu subi as escadas, tinha de me livrar daquela roupa.

Assim que entrei no meu quarto comecei a rir-me. Entretanto bateram à porta.

- Sim?

- Posso Bells? - Perguntou a Lice abrindo a porta.

- Claro.

- Mas que raio foi aquilo, com o príncipe Mike?

- Nada, ele desafiou-me e eu não admito isso.

- Bem posso contar-te um segredo?

- Claro, mana.

Comecei a tentar desapertar os fios das minhas costas. Ela veio para trás de mim e enquanto me ajudava começou a falar:

- Sabes, eu sei de uma pessoa, que tem um fraco por outra pessoa, aqui no castelo.

O meu longo vestido caiu no chão e enquanto pegava num mais leve para colocar perguntei:

- Quem? Por quem?

- Ambas as pessoas têm posses, mas uma delas não é de cá.

Virei-me para ela de olhos arregalados.

- Diz-me que não estás apaixonada pelo príncipe Mike!

- Não por amor de deus, sim ele é gato mas nunca. Volta a tentar.

- Deixa-te de rodei-os e diz-me. – Falei sentando-me na cama.

- Não, tens que adivinhar.

- Alice. – Adverti. – Sem paciência. – Resmunguei.

- Ai prontos, eles amam-se, mas ainda não o perceberam, para já ele é subordinado dela.

- Quem Alice?

- Vai ao espelho e pensa Bells.

- Eu não estou apaixonada por ninguém, Lice.

- Isso dizes tu agora. - Respondeu ela sempre com um sorriso.

- Mas quem é ele?

- Diz-me tu. – Disse.

Levantei-me e peguei no cinto com a minha espada.

- Estás apaixonada por quem, Lice? – Desviei o assunto, já que não estava a perceber nada.

- Eu, porque pensas isso?

Encolhi os ombros e sorri-lhe.

- Responde.

- Oh eu só o acho giro, nada mais.

- Eu conheço?

- Bem demais.

Ela baixou a cabeça.

- Quem é, Alice?!

- Uma pessoa daqui do castelo.

- Estou a ficar sem paciência, Alice.

- Tu vais ficar chateada comigo.

- Alice!

- Prontos, eu digo, é do Jasper.

Senti tudo á minha volta girar e agarrei-me a mesa ao meu lado.

- Alice, ele é nosso inimigo.

- Eu sei.

Levantei-me e fui ter com ela, segurei-lhe as mãos.

- Só não te esqueças que és uma princesa, e que aquele por que te julgas apaixonada, é filho daqueles que mataram os nossos pais.

- Eu sei, mas ele parece tão terno e querido.

- Não te iludas mana. – Beijei-lhe a testa. – Arranjas melhor.

- Okay, eu vou tratar de mais uns pormenores para a coroação.

- Vai lá mana.

- Não te esqueças, amanhã chega o Francinef.

Ela saiu do quarto e terminei de me arranjar. Sentei-me na cama e comecei a pensar, a minha irmã apaixonou-se pelo inimigo.

Isto não pode ser bom, pensei. Levantei-me e saí do quarto.

- Não é bonito, humilhar as pessoas daquela maneira. – Disse uma voz perto de mim.

- Dirigir-se a mim com respeito, é que é bonito.

- Okay princesa, não se irrite comigo.

Suspirei.

- Ainda bem que o encontro, diga uma coisa ao seu irmão, Jasper.

Ele levantou as sobrancelhas mas assentiu.

- Ele que não tente iludir a minha irmã, porque vai acabar mal.

- Mas, está a falar do quê?

- Apenas, diga-lhe isso.

Virei costas mas senti uma mão agarrar-me o braço. Olhei para a mão dele e depois para os olhos verdes dele, com um olhar severo. Lentamente, ele retirou o braço.

- Se é com o meu irmão tem de me contar.

Fiquei sem saber o que fazer, contava-lhe ou não? Abanei a cabeça.

- Pergunte ao seu irmão. E só mais uma coisa. – Disse com um olhar severo. – Não repita.

Virei costas e sai dali. Segui mais uns metros e vi a Rose a suspirar encostada à parede.

- Oh não! Diz-me que isso não e uma paixão! – Pedi.

- Porquê? Uma pessoa já não pode estar apaixonada?

Espreitei para o jardim e vi o Emmett a tratar das plantas.

- Pelo inimigo não!

- Tá descansada, que não é pelo Edward.

Revirei os olhos e bufei.

- Pouco me interessa por qual deles é, são os três inimigos.

- Bem então sim, eu estou apaixonada pelo Emmett.

Levei as mãos á cabeça, isto não podia estar a acontecer.

- Rose! Eles são inimigos! Estiveram envolvidos na morte dos nossos pais! – Elevei a voz.

- Mas, porque, razão é que tu não vês, que eles não são como o homem que os matou!

- São filhos dele! – Gritei. – É tudo a mesma coisa! Não te iludas.

- Não precisam de desconfiar de nós. – Falou o Emmett.

Virei o meu olhar furioso para ele, enquanto a Rosalie olhava com admiração.

- Eu devia ter-vos morto quando pude!

A Rose agarrou-me os braços para que eu não pegasse na minha espada.

- Solta-me. – Rosnei.

Abanei os braços, e soltei-me do seu aperto. Num passo rápido e furioso saí dali.

Não sabia o que fazer, dizer ou até mesmo pensar. Entrei nos aposentos dos reis, o grande salão dos tronos e tranquei a porta.

Deixei-me cair no chão com lágrimas a cair dos meus olhos. O que vou fazer? Tenho as minhas irmãs contra mim! Se os matar, perco-as. Se os deixar viver, perco-as na mesma.

- Não chore.

Depressa limpei as lágrimas, e levantei o rosto para ver quem era. A minha raiva voltou a crescer e a minha mão foi para a espada á minha cintura.

- Não preciso de nada vindo de si. – Ergui-me, ficando á sua frente.

- Tenha calma, apenas quero conversar consigo.

- Não quero conversas com gente como vocês. - Cuspi as palavras.
A minha mão não abandonou a espada.

- Nenhum de nós é como o nosso pai.

- São todos iguais.

- Não diga o que não sabe

- Eu posso ser jovem, mas já vi muito do mundo! - Dei uma passo a frente ficando mais perto dele.

- Acredite nem eu nem os meus irmãos, somos como esse mundo que viu.

- Então explique-me, porque e que os trastes dos seus irmãos, querem enfeitiçar as minhas irmãs?

- Espere o quê? Eles estão a fazer isso?

Com o queixo levantado num ar de superioridade disse:
- Antes de me desafiar, procure saber todas as informações.

Ele baixou a cabeça e não disse uma única palavra.

Sorri:
- Agora saia.

- Sim senhora. - Falou e dirigiu-se à porta. - Como espera que eu saia, com a porta trancada?

Fui até ele para destrancar a porta para ele desaparecer da minha vista.

Suspirei com frustração e abri a porta.
- E melhor eu não o ver mais hoje, ainda fica sem a cabeça

- Sim senhora. - Disse e seguiu pelo corredor

Num ato de fúria bati com a porta, com força.
Porque e que e que ele tem de ser tão certinho? Porque e que não pode fazer-me frente, para eu ter um motivo para acabar com ele?

Fiquei olhar para a sala e a pensar que daqui a menos de dois meses serei a rainha.

Passei a mão pelos olhos e, caminhei até aos tronos, passando a mão por aquele que em breve eu ocuparia.

Bateram à porta virando-me dos meus pensamentos.

- Quem é? - Perguntei mal-humorada

- Sou eu Bells, a Lice. Posso entrar?

Com relutância abri a porta.
- Diz.

- Sabes, podias tratar melhor as pessoas.

- Sem paciência...Que querias?

- Queria saber o que te deu para te teres passado daquela maneira.

- Que maneira? - Deixei-a entrar.

- Teres-te passado com a Rose e depois com o Emmett porquê?

- És muito nova para perceber isto, Alice.

- Não sou nada. Por favor diz-me.

- És sim, tens apenas 16 anos. Há coisas que não podes compreender.

- Só por ser a mais nova não quer dizer nada.

- Vais perceber se eu te disser as monstruosidades que eles fizeram?
- Diz-me eu quero saber.

Abanei a cabeça.

- É demasiado.

- Diz-me eu tenho de saber. Eu amo o Jazz.

Virei-me de costas para ela, começava a tremer. Isto não podia acontecer!

- Bella, estás bem?

Sem comentários:

Enviar um comentário

O mais simples dos comentários, dá força á autora para continuar a historia por mais um capitulo e com cada vez mais entusiasmo.
Só demora 1 minuto (e não faz o dedinho cair!) e alegra o nosso lindo e fraco coração = ) Se leu comente!
#Os insultos serão imediatemente eliminados#