30 abril 2014

Live without Life

Capitulo XXXVII – Epílogo
O tempo passa depressa, mas depois, o que é o tempo, quando temos a eternidade? Depois do meu casamento com o Alec, o amor da minha vida, eu e ele fomos passar, para Londres!, a nossa lua-de-mel.
E não podia ter sido melhor, só nós os dois, 24h por dia, juntos, o que poderia desejar mais? As saudades das minhas meninas, foi a única coisa que me incomodou um pouco….
Mas agora, 7 anos depois nada podia estar melhor. Eu ao lado do meu Alec, a Kika ao lado do Seth que lhe contou sobre o imprint na altura certa, apenas. A Alex encontrara um vampiro chamado Jackson, que era a coisa mais irritante do mundo!
Mas, como fazia a minha menina feliz e nunca a magoou eu convenci o Alec a ignorar esse pormenor.
- Em que pensas linda? – Perguntou o Alec, beijando-me a bochecha enquanto me abraçava a cintura.
- Na nossa vida. – Respondi, virando-me para ele. – Alguma vez pensaste que a tua vida seria assim? Ser pai, não estar com os Volturi, ser feliz, estar casado…?
- Nem por isso, mas estou mais do que contente.
- Eu também. Lembraste do dia em que Alex apareceu aí com o Jackson?
Ele fez um som de desaprovação ao lembrar-se desse dia. Estávamos todos em casa e como sempre de uns dias para cá a Alex tinha sempre algum sitio para ir, a Alice garantiu-nos que não se passava nada de errado e que em breve saberíamos o que se estava a passar, então tentamos esperar.
Nesse dia estava a chover muito e por algum motivo desconhecido, a minha filha achou que era altura ideal para aparecer com um homem alto, loiro e de olhos vermelhos e apresenta-lo como namorado á família.
- Este é o Jackson. – Apresentara. – O meu companheiro.
Como sempre o Alec odiou essa ideia e foi contra eles os dois ao início, até eu fui um pouco, não gostava muito do estilo bad boy dele, cheirava a problemas.
Mas tenho que admitir que era um bom rapaz e fazia-lhe bem, ela estava sempre feliz ao lado daquele loiro avariado da cabeça.
- Não foi um bom dia mas ele até não é mau de todo. – Falou.
- Só não tem os parafusos todos no sítio. – Encolhi os ombros.
- Eu ouvi isso! – Resmungou lá em baixo, onde jogava com o Emmett e o Jasper futebol.
- Era para ouvires! – Gritei sorrindo.
Eu adorava chateá-lo era o meu alvo favorito, pois tinhamos um feitio semelhante e andávamos às turras muitas vezes, o que, por algum motivo desconhecido divertia toda a gente.
Os lábios do Alec pousaram no meu pescoço, onde depositou um beijo leve antes de o morder sem força.
- Com sede?
- Não. – Desceu os lábios até ao meu ombro. – Descemos?
- Hum…sim?
Ele sorriu contra a minha pele e abraçou-me com mais força.
- Então sogrinha, não vinhas jogar contra mim? Desististe? Medo de perder?
- Ser irritante. – Resmunguei entredentes. – Para ti? Nunca!
O Alec riu e pegou-me na mão, entrelaçando os nossos dedos.
‘’Vamos lá para baixo para que lhe possas dar um pontapé no traseiro’’ a voz dele soou na minha mente, divertida.
Concordei com um aceno de cabeça e transportei-nos para o jardim.
- Disseste alguma coisa sobre eu ter desistido? – Sorri e mexi a mãos para que a bola voasse do chão para a baliza. – Eu ganho-te sem sequer tocar na bola, loirinho.
- Não me chames loirinho! E isso é batota! – Resmungou.
- As regras não dizem nada sobre eu não puder usar o Ar, ou dizem?
Sorri vitoriosa com a cara de chateado dele.
- Não fiques assim Jack, é impossível vencer a minha mãe. – A minha filha, Alex apareceu ao lado dele, abraçando-o de lado.
- É impossível vencer porque eu não sei manipular o Ar e o Fogo.
Ela beijou-lhe a bochecha e inclinou a cabeça para a frente, imediatamente o vento soprou mais forte.
- Isto não me parece natural. – Agora quem falou foi a Kika que acabara de aparecer do meio da floresta com o Seth ao seu lado.
- Isto não é natural. - Disse o meu irmão.
A Alex sorriu-lhes e parou o que estava a fazer, com ela, o vento também amansou.
Olhei para ambas as minhas filhas, já eram adultas de corpo e mente. Dotadas de uns cabelos aos caracóis invejáveis, a Kika com os meus olhos verdes e a Alex com os olhos azuis profundos do Alec e a sua estatura acima da média era a inveja de qualquer rapariga. Embora tivessem crescido num mundo fora do normal, tornaram-se em mulheres bem-educadas, com consciências das consequências que as suas ações podem ter e acima de tudo construíram o seu futuro. Um futuro brilhante, ao lado dos homens que elas gostam e da família que as ama, um futuro que eu terei todo o prazer de ver a que aventuras nos levará.
Já passamos por tanto que não poderá haver discussão ou obstáculo no futuro que não conseguiremos ultrapassar, juntos, como uma família.
- Também estou orgulhoso delas.
Virei-me para ele com uma sobrancelha erguida.
- Estavas na minha mente?
- Não estou sempre? – Respondeu e eu pude subentender o duplo sentido das suas palavras.
- Convencido.
Ele não responde, puxa-me apenas para ele e cola os lábios nos meus. Um beijo cheio de amor e carinho. Senti aquele velho arrepio que me subia pela espinha acima sempre que o beijava, tão cedo não deixaria de me sentir uma adolescente apaixonada ao lado dele.
- Espero que não deixes. – Murmurou.
- Alec! – Repreendi mas não pude impedir o sorriso que floreou os meus lábios. – Curioso.
Ele fintou-me com aquele doces olhos feitos de ouro derretido e sussurrou na minha mente ‘’Amo-te’’.
- Amo-te mais.
Ele riu e voltou a puxar-me para ele.
- Isso ainda está a ser estudado. – Os lábios dele esmagaram os meus e o meu único pensamento foi que não queria que aquilo terminasse nunca.

Porque definitivamente, não era possível viver sem ele, a minha vida.
**************************************************
Desculpem a demora, mas finais são complicados e eu estou muito ligada tão Tânia e ao Alec e as filhas deles e ao Ian que não sabia o que fazer... Nada parecia especial o suficiente...
Espero que tenha conseguido atar todas as pontas que faltavam! Acho que esta historia fica por aqui e não haverá mais continuações, mas quem sabe um dia, se acenda a lâmpada da minha cabeça e eu vos dê um capitulo extra... Pouco provável
Beijinhos e aliviem o meu coração como comentários fofinhos, shim?


Sem comentários:

Enviar um comentário

O mais simples dos comentários, dá força á autora para continuar a historia por mais um capitulo e com cada vez mais entusiasmo.
Só demora 1 minuto (e não faz o dedinho cair!) e alegra o nosso lindo e fraco coração = ) Se leu comente!
#Os insultos serão imediatemente eliminados#